Descubra Como Ser Incounterável

Como-ser-Incounterável-2

Olá, Invocador, eu sou o Heye e hoje nós vamos falar sobre como ser Incounterável. Ou seja, não receber counter, independente do personagem que estiver do outro lado.

A ideia aqui é responder essa pergunta que recebi recentemente: “por que em jogos profissionais, mesmo quando deveriam perder a lane, os jogadores conseguem sair de lá como se nada tivesse acontecido?”.

Vamos lá?

Você sabe o que realmente é um Counter?

Parece besta, mas vale a pena entender o conceito. Um counter é qualquer campeão que, por qualquer motivo, pode anular ou dificultar muito uma habilidade, função ou expôr uma fraqueza do seu campeão.

Sendo assim, alguns exemplos são bem clássicos: Kennen e Alistar, onde o hamster só consegue causar dano se estiver perto e o touro, por outro lado, consegue jogá-lo para longe. E, Caitlyn e Vayne, onde uma precisa farmar e tem a range muito curta e a outra bate de MUITO longe, entre outros vários casos.

E, ok, essa é a parte fofa da coisa. Mas, nem sempre um counter é tão perceptível. Quando nós falamos de função, estamos nos referindo ao motivo específico pelo qual um herói é pickado e aqui eu vou dar dois exemplos que são bem diferentes do que estamos acostumados.

Nami e Thresh / Zyra e Lee Sin

A nossa menina sereia é um pick que foi muito comum nas mãos do Olleh, quando o mesmo jogou na paiN. Porém, o Thresh sempre foi um ótimo counter e não porque ele anula algo, mas sim porque tem uma função muito forte contra ela.

Enquanto a Nami quer jogar avançada, colocando pressão, o Thresh agradece por isso. Pense bem, é muito fácil para ele iniciar uma troca. Basta andar para a frente, usar o Esfolar e acertar a sentença. E pronto, acabou a Nami.

No caso Lee Sin e Zyra a ideia é outra. Enquanto os dois estavam fortes, acontecia de vermos bans na samambaia quando alguém queria pickar monge. E não, não é só pelo fato do Lee ter que acertar o Q por fora das plantas e ela conseguir pará-lo no ar. O grande motivo é o fato de ele ser um campeão que adora jogar 2×2 e 3×3, só que a Zyra é MUITO boa nisso. Ou seja, mesmo que ele acerte tudo, o resultado pode ser catastrófico.

Bom, levando isso tudo em consideração, acredito que você já entendeu o que é um counter de fato. Então, vamos seguir com o texto.

Um ponto fora da curva

Quando falamos de jogos profissionais, temos que levar tudo isso em conta. Não é simples você se dizer incounterável, porque todo campeão tem muitas forças e fraquezas e, para chegar lá, você tem que saber de todas. Sendo assim, os campeões mundiais sabem exatamente quais os melhores pontos de seus campeões. E, não só. Eles também sabem como devem usar todos esses pontos para minimizar as fraquezas e aumentar as forças.

Um bom exemplo disso é o Faker. Em seu auge, ele tinha uma das Oriannas mais conhecidas e fortes do mundo. Sendo assim, para lidar com esse pick, foi criado o Lucian mid. Ele é um grande counter, porque, sem dúvidas, é o campeão mais forte no 1×1 dessa match up em todos os momentos do jogo.

Entretanto, abusado como é, não apenas uma, mas várias vezes o Faker pickou Orianna depois de ver o Lucian ser escolhido pelo outro time. Se é counter, por que ele fez isso? A resposta é simples. Ele entende tanto do campeão que consegue trazer em qualquer situação. A sua Orianna, por mais que passe dificuldade nessa match up, se tornou incounterável, assim como a Le Blanc.

Mas, o Faker sempre foi um ponto fora da curva, então como trazer para o mundo real?

Para meros mortais

Recentemente um dos jogadores que eu treino pessoalmente mandou um print de uma partida em que chegou a estar 7/1. O diferencial era que ele estava em uma Match Up de Kassadin contra Talon, onde o Talon tem total vantagem desde o nível 1. E, para deixar mais legal, estava jogando contra o Tockers no mid.

Sivir – Micão / Quinn – Robo / Pantheon – Turtle / Talon – Tockers / Le Blanc – Brucer / Pyke – Esa

Na Match Up de Kassadin contra Talon, o grande problema para o Kassa é que, durante a lane phase, ele é abusado. Afinal, é um anti-mago que bate de perto. E, o Talon não tem nada de mago, dá dano físico e tudo que ele quer é que os inimigos estejam perto. Porém, se o Andarilho do Vazio conseguir sobreviver a Lane Phase, começa a ficar mais forte que o Talon durante o mid game.

Portanto, foi um jogo de paciência. O Kassa precisou deixar de pegar muito farm para não ficar morrendo. Mas, jogou atento às possibilidades que apareceram para rotacionar e pegar vantagem em ganks, brigas na jungle, rio e rotas laterais, sem se expôr demais.

Outro ponto significativo foi a build. Sabendo que sofreria na rota e precisaria evitar ser morto com frequência, focou em itens de defesa física. Assim, conseguiu deixar de ser um dos principais alvos e passar a trocar com o Talon. Ou seja, ele se adaptou, chegando a fazer Manopla ao invés de Perdição de Litch.

O Grande Segredo

Foi um bom jogo e muito inteligente da parte dele, mas não é uma questão de genialidade e nem mesmo por ser mestre. É apenas uma questão de paciência e pensamento crítico. Em um dos textos mais importantes do site eu falo sobre Sair do Automático. É a dica mais importante de todas e aqui ela se aplica.

Se ele jogasse completamente no automático, teria ido para a lane, jogado o mid como sempre joga, feito a build que sempre faz e teria um resultado pífio. Seria triste de ver o quanto ele teria feedado. Portanto, o grande diferencial foi pensar.

Pense

É básico, mas é verdade. Para jogar um match up em que você está counterado, você precisa pensar e ser criativo. Fazer Manopla para Kassadin é estranho, mas pode ser funcional, se for necessário.  Assim como deixar de farmar com um campeão que precisa de farm também, mas para compensar, jogar focado em lutar pelo mapa. Ou seja, é uma questão de se acalmar e encontrar a forma correta de se comportar.

Podem haver muitas formas, desde você mudar a sua função no jogo, como no caso do Lee e Zyra, onde ele escolheria jogar com o top dele fazendo 2×2 na jungle inimiga. Ou, no caso da Nami, jogar recuada, focando em ser Healer ou até trocando, mas sem avançar a rota.

Portanto, ser incouterável não é uma questão de estar com um campeão sem counter. Todos os campeões tem counters (ou deveriam ter, né, riot?). A ideia é você saber adaptar o seu campeão à necessidade do jogo, sempre assim.

E, claro, a dica de ouro. Jogue. Não adianta você querer ter uma Orianna incounterável se você jogou duas vezes com ela. Saber jogar counterado é algo que, por mais inteligente que você seja, exige conhecimento do herói. Sendo assim, faz bem praticar bastante, ok?

Conclusão

É claro que ser completamente incounterável é quase impossível, porque é necessário muito tempo. Mas, se jogarmos com inteligência e fora do automático, poderemos nos sair bem independente da match up que estiver pela nossa frente.

Sendo assim, espero que este texto te ajude a se tornar um jogador incounterável! E, se gostou, deixa um comentário aí embaixo, nos diga o que achou do texto.

Ah, e se quiser pedir algum tipo de conteúdo, é só falar que nós adicionamos à lista!

Um grande abraço e até a próxima!

Heye

Guilheme “Heye” Thompson é coach há mais de 2 anos e já trabalhou em equipes de todos os níveis. Depois de dar uma pausa na carreira, criou o Escola de Invocadores, onde administra e cria conteúdo para jogadores que queiram melhorar no Summuner’s Rift.